A escova de dentes é um item muito importante na higiene bucal. Com ela, é possível remover todo acúmulo de placa bacteriana nos dentes e gengiva, prevenindo a formação de cárie, tártaro, mau hálito, gengivite e periodontite. O produto também está entre os cuidados preventivos contra o novo coronavírus. Mas a grande dúvida em questão é: quem já teve a doença, precisa trocar a escova de dentes por uma nova? O Sorrisologia entrevistou o dentista Diego Limoeiro que explicou o que deve ser feito neste caso.

Devemos trocar a escova de dentes? Entenda com que frequência isso deve ser feito

Sim, a troca regular da escova de dentes é super importante para prevenir doenças bucais, como cárie e problemas gengivais, além de garantir uma higiene bucal de qualidade. “Em média, deve ser trocada a cada três meses, mas algumas pessoas podem precisar trocá-la antes, devido ao uso excessivo de força e as cerdas acabam perdendo suas funções”, esclareceu. Há também o acúmulo de placa bacteriana que prejudica e, por esses motivos o produto deve ser trocado com frequência.

Quem teve coronavírus precisa trocar a escova de dentes?

Sim. Se você teve coronavírus, precisa trocar a escova durante e após o tratamento da doença para evitar o risco de reinfecção. Diego faz o alerta: “Caso alguém tenha sido testado positivo é recomendável sim a troca da escova, já que a saliva é um meio de transmissão da Covid-19”. Mas, independentemente do vírus, é fundamental limpar bem a escova com água corrente após o uso para remover as bactérias acumuladas durante a escovação. 

Caso não troque a escova de dentes, o produto pode ser desinfectado?

Sim. Caso a escova de dentes esteja em bom estado, com as cerdas bem conservadas, o profissional indica a desinfecção o produto de higiene bucal. “Pode ser utilizada água oxigenada ou até mesmo enxaguante bucal para esse processo”, recomendou. A solução bode ser borrifada na escova ou então deixar o item de molho por alguns minutos na misturinha com água. Depois de higienizada, não é aconselhável deixar a escova sobre a pia do banheiro, o ideal é guardar no armário ou no num porta-escova. Ao utilizar o produto novamente, dê uma lavadinha com água antes só por precaução e em hipótese alguma use uma toalha para secar as cerdas – isso só vai acumular mais bactérias.

Este artigo tem a contribuição do especialista:
Diego Limoeiro – Cirurgião bucomaxilofacial / Implantodontista Pós-graduado em Cirurgia da ATM Especialista em DTM e Dor orofacial
Rio de Janeiro – RJ
CRO-RJ: 31146

Este artigo tem a contribuição do especialista:
Diego Limoeiro – Cirurgião bucomaxilofacial / Implantodontista Pós-graduado em Cirurgia da ATM Especialista em DTM e Dor orofacial
Rio de Janeiro – RJ
CRO-RJ: 31146

Fonte: http://www.sorrisologia.com.br

Agende sua consulta pelo WhatsApp!
Enviar WhatsApp