Que a dor de dente incomoda todos podem concordar! Mas muitos não sabem que existem diferentes remédios para acabar com ela. Dentistas podem recomendar analgésicos, anti-inflamatórios e até antibióticos, tudo vai depender de uma série de fatores que devem ser analisados pelos especialistas. Por isso que os profissionais costumam dizer que o melhor remédio é a própria consulta odontológica. Na verdade, a dor de dente pode estar associada a outros problemas bucais, como bruxismo e cárie. Assim, a única forma de ter a certeza de que está tudo bem com a saúde bucal é no consultório. A especialista em ortodontia Luciane Kraul explica melhor as recomendações!

O que pode estar provocando uma dor de dente?

Sentir dores nos dentes normalmente é um sinal de algum outro problema bucal. “Pode ser provocada por apertamento, infecção, trinca, trauma e cárie”, lista ela. Os incômodos dentários podem apresentar diversas causas. Além dos citados pela profissional, pacientes enquadrados em doenças como pulpite, bruxismo e abcesso dental também podem sentir os mesmos desconfortos dentários. Isso acontece devido a possíveis inflamações na raiz do dente que, se não tratadas de início, vão causando mais e mais dores. Esse é, por exemplo, o caso da pulpite, uma segunda etapa da cárie.

O melhor remédio para dor de dente é o dentista

A dica de Luciane é certeira. “A recomendação é que o paciente procure um profissional para que ele possa direcionar o tratamento”, afirma. Os possíveis remédios a serem recomendados podem ser anti-inflamatórios, antibióticos e analgésicos, para que a dor seja aliviada. Mas o problema bucal só é resolvido com o tratamento adequado. Então já sabe: sentiu dor de dente? Vá para a cadeira do dentista assim que possível.

A forma mais segura de prevenir qualquer um dessas complicações é com a boa higiene e as consultas ao dentista. A especialista recomenda que revisões e procedimentos de profilaxia sejam feitos a cada 6 meses. Dentro do consultório, o dentista analisa a saúde bucal e o estado da arcada dentária do paciente. Não esquecendo de fazer esses exames, o profissional pode identificar problemas ainda no início, facilitando o tratamento.

Pode esquecer a automedicação!

Existem soluções caseiras para aliviar o incômodo, como o uso de cravos, própolis, alho e, o mais comum, gelo. Muito úteis, esses métodos podem até proporcionar um alívio, mas não eliminam as dores e nem o possível problema bucal. As medicações mais efetivas são as indicadas pelos especialistas, já que elas vêm acompanhadas de um tratamento mais direcionado ao problema. Por isso que se automedicar não é recomendado aqui. “O paciente não tem condições de diagnosticar sozinho. Ele pode tomar a conduta incorreta e piorar muito o problema”, comenta. A automedicação pode ainda agravar o problema ou até mesmo desenvolvê-lo para casos mais críticos.

Este artigo tem a contribuição do especialista:
Luciane Franco Kraul – Especialista em ortodontia
Jardim América – SP
CRO-SP: 81340