Atire a primeira pedra quem não lembra deste elemento nas aulas de química do ensino médio. Talvez você tenha pensado que nunca na vida fosse precisar saber disso, não é mesmo? E talvez até você não consiga ver, mas o flúor está presente na sua rotina em diferentes aspectos (que vão além da tabela periódica, hein!), como nos itens de higiene e até em alguns alimentos. No entanto, é bem verdade que esse elemento pode ser polêmico para algumas pessoas, mas, uma coisa é certa: ele é recomendado e aprovado pelos dentistas. Então, não se desespere caso o seu dentista opte por fazer uma limpeza dentária com aplicação de flúor, ele é um dos principais agentes defensores da cárie, além de proporcionar mais força e proteção para os os dentes. Conversamos com o cirurgião-dentista Pablo Pause, e ele esclareceu os principais mitos acerca do assunto, confira!

O flúor faz mal a saúde?

Segundo Pablo, o flúor está inserido no dia a dia das pessoas, com o intuito de prevenir de forma coletiva o aparecimento de cárie na população. “A presença contínua de pequenas quantidades de flúor no meio bucal ao longo de toda a vida do indivíduo, é, portanto, indispensável para que o efeito preventivo se manifeste com a formação de fluoreto de cálcio na etapa de remineralização”, explica. Além disso, pesquisas constataram que a fluoretação das águas públicas reduz de 20 a 40% a prevalência de cárie em adultos. Outro dado relevante, segundo Pablo é a respeito dos alimentos: “Alguns como sopas e ensopados feitos com peixes e ossos de carne bovina contêm flúor, assim como os frutos do mar e os alimentos processados que foram preparados com água fluoretada”, explica.

Crianças podem usar produtos com flúor?

Pablo explica que todas as crianças expostas à água perfeitamente fluoretada não terão riscos aumentado de desenvolver fluorose (manchas esbranquiçadas, que aparecem nos dentes por excesso de flúor), desde que sua escovação seja supervisionada utilizando pequena quantidade de dentifrício fluoretado (pasta de dente com flúor), e eliminem adequadamente a espuma da boca. O dentista ressalta: “Os fluoretos podem produzir efeitos adversos, de forma crônica ou aguda. Na primeira, os fluoretos circulantes no organismo afetam a mineralização dos dentes, formando um esmalte hipoplásico, o que chamamos de fluorose”.

Flúor x Tratamento de clareamento dental

O flúor pode ser utilizado no clareamento dental. Pablo explica que esse elemento pode ser usado com a intenção de reduzir a sensibilidade que o procedimento do clareamento dental pode gerar, pois o mesmo provoca um tamponamento no esmalte, aliviando assim, os estímulos sensitivos de dor. Além disso, o dentista esclarece que no consultório, utiliza-se compostos de flúor na forma de solução para bochechos, gel, ou em verniz de flúor. “Estes, constituem métodos tópicos da utilização do flúor que são empregados em medidas terapêuticas e/ou preventivas”, finaliza. Na dúvida, a melhor saída é consultar seu profissional de saúde bucal para esclarecer todas as dúvidas e tomar medidas preventivas.

Este artigo tem a contribuição do especialista:
Pablo Pause – Cirurgião-Dentista
Rio Grande do Sul -RS
CRO-RS: 23299