Você já parou para se perguntar quais doenças que podem estar presentes no nosso organismo sem apresentarem sintomas? Pois bem, apesar de ser um dos problemas bucais mais comuns do mundo, a cárie é uma dessas doenças difíceis de se perceber no seu início, por isso, é importante saber as manifestações comuns e como identificá-la, a fim de que o diagnóstico não seja dificultado e o problema seja logo solucionado. Pensando nisso, o Sorrisologia conversou com a Endodontista Sofia Cabaleiro, e ela esclareceu as principais dúvidas na hora de entender se a lesão no dente pode realmente ser uma cárie. Confira!

Existe algum sintoma para suspeitar da cárie? Quais?

É necessário entender como a cárie aparece para entender ou suspeitar sobre seus sintomas. A cárie acontece devido ao acúmulo de placa bacteriana e da produção de ácidos que os corroem. Caso essa placa não seja retirada corretamente, como através de uma boa higiene bucal diária, a placa bacteriana pode dar origem ao tártaro, uma calcificação que só pode ser removida no consultório do dentista.

A endodontista explica que os sintomas para se ficar de olho e passar a suspeitar de uma cárie em seu estágio inicial são caracterizados por mancha branca opaca no dente, depois evolui para cavitação (um pequeno buraco) e a partir daí iniciam-se os incômodos, podendo ser por sensibilidade, dor, ou desconforto por retenção de alimento no local.

Dores e sensibilidade podem ser indícios de um desenvolvimento de cárie

É importante ressaltar que apesar da sensibilidade e dores serem indícios do desenvolvimento da cárie, elas não são sinônimos, embora seja uma associação comum entre os pacientes. Segundo Sofia, a hora de ligar o alerta é quando surgem sinais e sintomas de dor e sensibilidade em um dente que antes estava sadio. “Esses podem ser sintomas de uma cárie ainda em estágio inicial e se não for dada a atenção necessária, a tendência é que a cárie continue sua evolução podendo trazer um quadro de dor mais intenso chamado de pulpite, necessitando então de um tratamento de canal”, explica.

Suspeitei de uma cárie. O que eu faço?

O ideal a ser feito é sempre procurar um dentista caso você sinta algo diferente em algum dente. “Muitas vezes as cáries iniciam em locais que não são visíveis clinicamente e exames radiográficas poderão ser solicitados para termos um diagnóstico mais preciso”, explica Sofia, que ressalta: “A melhor forma de prevenção são as consultas periódicas. As idas ao dentista ajudam a evitar esse problema”.

Opções de tratamento para a cárie

Sofia explica que quando o diagnóstico da cárie é em estágio inicial, pode-se realizar um tratamento conservador, pois as cáries apenas em esmalte (primeira camada do dente) são passíveis de serem remineralizadas, sem necessidade de intervenção direta. Porém, quando a cárie já atinge a segunda camada do dente, chamada de dentina, um tratamento restaurador se faz necessário. E quando a cárie atinge a terceira camada do dente, chamada de polpa, já deve-se indicar tratamento de canal. Evite que o problema atinja seu dente de forma mais profunda e busque ajuda tão logo perceber os primeiros sinais.

Este artigo tem a contribuição do especialista:
Sofia Cabaleiro – Endodontista
Belo Horizonte, MG
CRO-MG: 34919