As próteses são uma alternativa para devolver ao paciente o seu sorriso, e também restabelecer a função mastigatória. No entanto, a insegurança antes de passar por qualquer tipo de procedimento odontológico é bastante comum, e quando se trata de solucionar um caso de dente perdido, isso não é diferente. Por isso é comum que as pessoas queiram saber mais sobre como funciona esse tipo de tratamento, e a especialista em implantodontia Daniela Balthazar te conta tudo que você precisa saber a respeito.

Os diferentes tipos de prótese

Ao perder um dente, a primeira coisa que passa pela cabeça é tentar solucionar o problema o mais rápido possível. Mas para isso, é preciso conhecer os tipos de prótese que existem e conversar com um especialista para entender qual é o mais indicado para o seu caso. De acordo com Daniela, existem as próteses fixas e as próteses móveis (removíveis), sendo que ambas podem ser tanto convencionais – isto é, sem implantes – quanto sobre implantes. A especialista explica um pouco mais sobre cada um desses tipos a seguir:

• Próteses totais (dentadura): Como esse tipo de prótese é móvel e apoiada nas gengivas, a cirurgiã-dentista explica que ela não consegue restabelecer a função da mastigação com a mesma eficácia que uma estrutura fixa sobre implantes, pois ela se movimenta durante a mastigação. “Além disso, a prótese apoiada na gengiva causa reabsorção óssea progressiva e pode, com o tempo, ficar sem retenção, dificultando ainda mais o seu uso.”

• Próteses parciais sem implantes: A função delas é substituir apenas alguns dentes faltantes, apoiando-se em outros com “grampos”. No entanto, Daniela destaca que as móveis têm a desvantagem de sobrecarregarem os dentes onde se apoiam, podendo causar sua fratura, mobilidade e posterior perda. “Além disso, assim como as dentaduras, elas precisam ser removidas para higienização, podendo causar constrangimento”, conta. Por outro lado, as próteses fixas convencionais sem implantes também têm um inconveniente: o desgaste dos dentes vizinhos (que podem estar intactos) para viabilizar a sua colocação.

• Overdentures: Na prática, as overdentures são próteses totais (dentaduras) retidas por implantes, que são instalados previamente nos ossos maxilares. No entanto, apesar de estarem encaixadas nos implantes, elas devem ser removidas após as refeições para que a higienização seja realizada. “Também tem o inconveniente de que as peças conectoras da prótese desgastam-se com o uso e precisam de troca periódica”, acrescenta a profissional.

• Próteses fixas com implantes: Atualmente, esse é o tipo de prótese que mais agrada aos pacientes, visto que elas oferecem diversas vantagens em relação aos outros tipos, deixando o tratamento com um aspecto mais natural. “Como o implante funciona como uma raiz dentária artificial, e é uma estrutura fixa, atualmente é a solução que melhor substitui, e de maneira mais fiel, ou seja, com maior semelhança e durabilidade, os dentes perdidos”, explica.

Além do mais, a dentista ainda destaca que para todos os casos pode ser necessário o uso de uma prótese provisória até que a definitiva fique pronta, principalmente em regiões anteriores, para não comprometer a estética.

Como é feito o procedimento para colocar as próteses?

De acordo com Daniela, isso vai depender muito do tipo de prótese, mas é importante ter em mente que sempre será necessário um preparo prévio da região bucal para o procedimento. “Se for uma prótese sem implantes e móvel, normalmente esse preparo é mais simples e segue-se uma moldagem para confecção da peça, seguida de uma prova e posterior instalação com aprovação da estética pelo paciente”, conta. Já em casos de próteses fixas sem implantes, há o desgaste dos dentes adjacentes ao espaço a ser preenchido com a prótese, como já foi dito anteriormente. Por último, as próteses com implantes, é necessário esperar o tempo de cicatrização dos mesmos para que seja feita a moldagem e, posteriormente, ocorre a instalação da prótese.

Há contraindicações?

Assim como nos demais procedimentos que envolvem a cavidade bucal, há algumas contraindicações para a colocação das próteses. Apesar de relativas em alguns casos, existem fatores comuns a elas, principalmente quando o paciente não possui um bom estado de saúde bucal. “As contraindicações podem estar ligadas a fatores como inflamação gengival causada por higiene oral inadequada, doença periodontal, perda óssea, mobilidade dental e problemas de saúde geral”, conclui Daniela.

Este artigo tem a contribuição do especialista:
Daniela Balthazar – Cirurgiã-dentista, especialista em implantodontia pela UNICAMP
São Paulo – SP
CRO-SP: 71941